Dicas de Saúde Bucal

Dicas de Saúde Bucal

 

 

10 dicas fundamentais para conservação dos dentes.

Trinta e dois. Essa é a quantidade de dentes que um adulto deveria ter na boca para um processo digestivo adequado, uma estética agradável e toda alegria de sorrir. Só que esse não é o número de dentes que a maioria dos brasileiros apresenta. “Cabe a nós, profissionais de saúde, orientar as pessoas para que tenham uma boa saúde bucal”.


Confira 10 dicas fundamentais para conservação dos dentes e uma melhor qualidade de vida:

1. Escovar sempre os dentes ao acordar, depois de cada refeição e antes de dormir;
2. Manter uma alimentação sempre saudável, rica em fibras e com baixo teor de açúcares e carboidratos;
3. O grande risco dos açúcares para os dentes é a freqüência em que eles são ingeridos e não a quantidade;
4. Após as refeições, sempre passar o fio dental e realizar escovações com pasta fluoretada;
5. As escovas devem ser individuais e trocadas com freqüência;
6. O fio dental é indispensável, pois os dentes possuem cinco faces e algumas delas não são alcançadas pelas escovas;
7. Não esquecer de escovar sempre a língua ou utilizar limpadores de língua para remover a “saburra“ restos de alimentos e células que deixam a língua com aspecto esbranquiçado/amarelado)
8. Evitar alimentos e bebidas com corantes que possam manchar os dentes e as restaurações de resina;
9. Evitar ingerir refrigerantes e bebidas ácidas, assim como chupar frutas cítricas com muita freqüência. Elas podem causar erosões dentárias e sensibilidade excessiva;
10. Previna problemas odontológicos visitando seu dentista a cada seis meses.

 

2- A importância da higiene bucal em bebês.

Eliminar os resíduos deixados pelo leite durante a amamentação auxilia no crescimento saudável da criança Atenção, mamães e papais: vocês sabem que os cuidados com a higiene bucal devem começar logo nos primeiros dias de vida do bebê? A medida é importante, pois o recém-nascido, ao ingerir o leite durante a amamentação, acumula resíduos na mucosa bucal, o que pode ocasionar o surgimento de placas bacterianas, que são prejudiciais à saúde bucal. Claro que a higienização nos bebês é diferente, uma vez que eles ainda não possuem dentes.

Nestes casos, a escova de dente e o fio dental são substituídos por uma gaze ou uma fralda umedecida em água limpa. “Este processo deve ser realizado regularmente, sendo que a higienização após a última mamada é a mais importante”,. “Eliminando diariamente os resíduos deixados pelo leite, a mamãe estará contribuindo para seu filho cresça de maneira saudável e esteja preparado para a primeira dentição”.

À medida que o bebê cresce, a higienização passa a ser realizada de formas diferentes com dedeiras e escovas com creme dental sem flúor, por exemplo. Para auxiliar os pais a agir corretamente em todas as etapas da vida da criança é fundamental o acompanhamento de um profissional. “A primeira visita, inclusive, pode ser feita ainda durante a gestação, quando os pais podem tirar as dúvidas e receber orientações para manterem uma boa saúde bucal do filho”.



Você sabia?

  • A amamentação contribui para o bom desenvolvimento muscular e esquelético da face, pois o bebê, durante a sucção, promove movimentos de avanço e retração da mandíbula.
  • A cárie é uma doença transmissível que pode ser passada de mãe para filho. Por conta disso, nunca sopre ou experimente a comida do bebê com a colher dele.
  • A cárie de mamadeira é causada pela ingestão de leite e líquidos açucarados, sem a devida higiene bucal, e pode provocar dor e dificuldade de alimentação.
  • Nunca deixe a criança dormir sem antes realizar uma higienização bucal correta.

 

Doença periodontal pode levar à perda dos dentes.

Depois da cárie, a periodontite é o problema bucal mais comum entre os adultos A doença periodontal é uma infecção que afeta a gengiva e os ossos dos dentes. Uma das principais causas da doença é o acúmulo de bactérias responsáveis pela formação da placa bacteriana e do tártaro. Estudos demonstram que 5% a 20% da população com 40 anos apresentam algum grau de periodontite, e essa prevalência tende a aumentar com a idade.

Sendo, depois da cárie, um dos problemas bucais mais comuns entre os adultos. O primeiro estágio da doença periodontal é a gengivite. “Nesta fase, a gengiva fica excessivamente vermelha, inchada e sangra com facilidade, mas há pouco ou nenhum desconforto, o que leva frequentemente o paciente a buscar tratamento quando a inflamação já está bem avançada”. Se diagnosticada e tratada logo no início, a gengivite é reversível. Entretanto, sem o acompanhamento de um profissional e higiene bucal adequada, a doença pode evoluir para uma inflamação mais severa conhecida como periodontite. “A periodontite é uma inflamação crônica e destrutiva, que leva à retração da gengiva, perda dos tecidos de sustentação dos dentes e até mesmo a perda dentária”, inclusive em estágios mais avançados da doença o paciente não costuma sentir dores ou desconforto. “A doença periodontal é uma doença silenciosa e, por isso, muitas vezes a pessoa só a percebe quando os dentes já apresentam mobilidade acentuada.

Dessa forma, boa parte dos casos de perda dentária está associada à doença periodontal.” O tratamento utilizado depende do grau de progressão da doença. “O mais comum é a remoção da placa bacteriana e do tártaro e a orientação adequada de higiene bucal para controlar a infecção”. Mas ressaltamos que a melhor maneira de prevenir a doença periodontal é mantendo uma higiene bucal adequada, com a escovação correta dos dentes e o uso diário do fio dental, além de consultar regularmente um cirurgião-dentista. “Fatores como tabagismo, alcoolismo, má alimentação e estresse aumentam as chances de desenvolver a doença, por isso, além dos cuidados imprescindíveis de higiene bucal, hábitos mais saudáveis também colaboram para uma boa saúde bucal”.

 

Sensibilidade nos dentes tem cura.

Dependendo do nível da sensibilidade, o dentista irá recomendar um ou mais tratamentos para aliviar os sintomas. Tomar um cafezinho ou um delicioso sorvete pode não ser uma boa ideia para quem tem sensibilidade dentária. A dor pode estar associada a diversos fatores como consumo de bebidas e alimentos muito ácidos, gelados ou quentes, cáries e, ainda, deslocamento da gengiva (retração gengival) causada pela escovação errada (forte fricção da escova de cerdas duras sobre o tecido da gengiva) ou por problemas periodontais como gengivite (inflamação na gengiva) ou periodontite (inflamação no periodonto por completo, gengiva e osso).

Dependendo do nível da sensibilidade, o dentista irá recomendar um ou mais tratamentos para aliviar os sintomas. “A retração da gengiva não provoca a perda do dente, mas é imprescindível que as causas da sensibilidade sejam tratadas o quantos antes”.

 

Atualmente, os tratamentos disponíveis são:

  1. Uso de enxaguatório bucal com fluor - que ajuda a combater a sensibilidade pois seu uso é contínuo. É indicado para quem tem uma leve sensibilidade;
  2. Aplicação de flúor tópico - é feito pelo dentista a cada seis meses. Além de proteger os dentes, elimina a sensação de dor;
  3. Aplicação de flúor verniz - também feito pelo dentista. Esse tipo de flúor é indicado para combater a cárie em sue processo inicial;
  4. Laserterapia - o laser tem a função de estimular as mitocôndrias que servem para dar energia e renovação às células. Com as células renovadas e mais fortes, a sensibilidade também é eliminada;
  5. Desensibilizantes - indicado para casos de desgastes por abrasão ou por início de cáries. Os desensibilizantes vedam os canalículos dentinários evitando a dor.